Ao segundo dia o Super Bock Super Rock vestiu-se de forma diferente: as t-shirts de bandas de rock permaneceram em casa, os estilos eram mais contemporâneos. O público mostrava-se também ele díspar. Se estávamos habituados a que a generalidade dos festivais de verão fossem um espaço que apenas respondia e representava os gostos e ânsias de uma população caucasiana, de classe média-alta, pertencente a uma determinada faixa etária, esta tendência tem se alterado nos mais recentes anos. O SBSR tem oferecido um importante contributo nesta matéria, e este dia é um bom exemplo disso mesmo.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Ambiente

Hoje era a vez da cultura Hip-Hop. O dia encetou com o Pusha T, e face à extensa e sólida popularidade do Rapper Americano, estamos ainda todos para perceber a lógica de ter atuado às 17 horas.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Pusha T

Em boa verdade, nem nos seus melhores sonhos Keso – que se apresentou no palco LG – actuaria num festival depois daquele músico Americano. Com um recurso lírico assinalável, Marco Ferreiro distribuiu intervenção, rimas, citações e ironias em dose considerável. O portuense debruçou-se sobre KSX2016, o seu último trabalho, conquistando o respeito daqueles que o assistiam. Justíssimo.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Keso

De volta ao Palco EDP encontramos uma pequena população a aguardar um dos mais recentes fenómenos do Hip-Hop lusitano. Se Slow J protagonizou um dos bons concertos da edição passada, este ano a exigência – e o palco – era maior. Se entrar em palco a assumir uma cover do Pai do Rock Português é sinal de ousadia, cantar que quer “fazer com o Rui Veloso aquilo que o Ronaldo fez com o Figo” é uma provocação só ao alcance daqueles que nunca fazem “pazes com essa estagnação”. Ainda o público batia palmas e já nos era atirado outro cover. Menina Estás à Janela, de Vitorino, foi a prova que João está-se bem a borrifar para o establishment e pré-conceitos: não seria suposto um rapper principiar um concerto com duas versões, especialmente quando uma delas é de uma música tradicional alentejana. Tão bonita como esta determinação de devastar bafientas fórmulas e cânones só o solo de piano que o acompanhou nesta interpretação.

Com uma considerável noção de palco e comunicação, o gig teve o seu auge lírico em Comida, o tema mais conseguido do The Art Of Slowing Down, o seu álbum de estreia. Apesar da sua audácia, Slow J mostrou abundante humildade ao interpretar parte de Canal 115 de Valete. Cresci a ouvir as músicas dele, afirma. Se os bairros desfavorecidos e as pessoas marginalizadas encontraram em Valete a sua voz, Slow J, ao abordar matérias contemporâneas e quotidianas, poderá ser o representante de uma geração fodida pelos sonhos que não lhes deixaram alcançar, que trabalha apenas para pagar as suas contas e que muitas vezes se vê arrastada para longe por um mercado de arrendamento feroz. Para as derradeiras músicas o Rapper foi coadjuvado em palco, dando a Pagar as Contas e Vida Boa uma roupagem mais festivaleira. O público aceitou a proposta e ninguém saiu ileso. Nem o Hip-Hop Nacional. Ou será Hip-Rock? Não nos preocupamos, “vai correr tudo bem”.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Slow J

Antes do aguardo concerto de Akua Naru, dividimo-nos entre o Palco Super Bock e o Palco LG. A dupla Octa Push estava rodeada por uma multidão de curiosos. Se Push, Push foi o tema mais identificado, o prémio de música mais dançada teria de ser entregue a Gaia Cósmica, interpretada com a subida a palco dos Cachupa Psicadélica.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Octa Push

No Meo Arena estavam os Alcobacenses The Gift. Se vertermos num receptáculo os seguintes ingredientes: um, palco desproporcional à banda; dois, apresentação de músicas ainda pouco conhecidas do novo álbum; e três, uma sonoridade que pouco tem que ver com aquele dia, o resultado final nunca poderá ser satisfatório. Tecnicamente pouquíssimo haverá a apontar à banda, que ofereceu um espectáculo competente, mas face às circunstancias nem toda a experiência e suor de Sónia Tavares fizeram milagres.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 The Gift

Akua Naru, Akua Naru, Akua Naru. Foram as palavras mais repetidas depois do recital de Hip-Hop com toques refinados de Jazz. Dificilmente alguém permaneceu indiferente à cantora que entrou em palco inteiramente de negro, e que abordou os espectadores olhos nos olhos. Passando de forma equitativa pelos seus anteriores trabalhos, foi Poety: How Does It Feel o momento que mais arrepios proporcionou. O melhor exemplo que encontramos será How does it feel to make love to your soulmate, entoada a trote de uma sensualidade pouco vista neste estilo musical. A Rapper poderia facilmente escrever um livro sobre o que pode uma mulher fazer no, e pelo, Hip-Hop. Revelando-se uma fértil comunicadora, afirmou que “a música tem mais peso que qualquer pessoa ou país”, e que este não seria apenas mais um concerto. E não foi, mas tens muito que agradecer à tua banda, Akua.

20170714 - Festival Super Bock Super Rock 2017 @ Parque das Nações

+ fotos na galeria Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Akua Naru

No Palco Principal eram aguardos os britânicos London Gramar e o seu Trip-Hop ambiental. Com um cenário minimalista, uma versão desportiva de Hannah Reid transportou-nos para o seu mundo  através de temas como Hey Now ou Truth is a Beautiful Thing. O público respondia positivamente à impecável amplitude vocal de Reid e a uma musicalidade que não fazia pendant com o segundo dia do festival. O tema Strong foi a última escolha da banda para encerrar um concerto antes de abandonarem o palco com um: “Obrigado, vocês foram fantásticos”, dito pela vocalista, que recebia aplausos por um concerto conseguido, mas que não entusiasmou a plateia de forma transversal. Era caso para perguntar: foi tão razoável para ti como foi para mim?

Ninguém sabia muito bem o que esperar de Língua Franca. O grupo formado pelos brasileiros Rael, Emicida, e pelos portugueses Capicua e Valete, apresentava o seu disco no SBSR, e para os receber víamos uma multidão de fãs ansiosos. É certo que a atuação foi a largos espaços apenas a soma das partes: Capicua a interpretar sozinha em palco Vayorken e Maria Capaz, o mesmo com Valete e o seu Rap Consciente – com Slow J a #dartudo no meio do público. Vários momentos em que permaneciam em palco apenas os Rapper Brasileiros levaram-nos a questionar que resultado daria aquela equação. No entanto, se isso poderia parecer um handicap, a realidade é que o público manteve-se interessado e interactivo do primeiro ao último momento. As mensagens foram certeiras e a presença de Valete – um verdadeiro iconoclasta – orientou as retinas naquele palco. Depois de afirmarem que “tudo começa com a porra de um sonho”, atiram-se à incrível Ela, sendo perceptível um genuína felicidade no quarteto lusófono. Saímos dali de barriga cheia, mas em breve veremos de que material é feito os pés deste gigante.

© Vera Marmelohttp://v-miopia.blogspot.pt/

O entusiasmo com Future era generalizado, e queríamos muito perceber se o hype era justificável. Temos ouvido imenso nas última semanas, mas não tinha entrado. Não foi por falta de insistência, acreditem. Talvez ao vivo perceberemos a cena deles, pensamos. O Meo Arena estava uma sombra do dia anterior, e o som ainda pior. Apesar de nas bancadas nem sempre serem perceptíveis as letras das musicas, distinguimos temas como Super Trapper ou Jumpman, em que a plateia se dividia entre entusiasmo e amiúdes conversas. O auto-tune foi uma presença constante, poderá parecer estranho mas oferece um tom interessante aos momentos em que conseguimos distinguir a voz de Nayvadius.  O concerto terminou com Mask Off e não houve direito a encore: uns quase choravam, outros agradeceram.

Dizem-nos que o Trap é o novo Rock, mas não acreditamos. O mundo vai-se alterando de forma veloz, e se realmente for este o futuro que nos espera ficaremos para sempre num presente onde Slow J marca um lento mas coerente compasso.

Todos os artigos estão disponíveis em:

DIA 13

Super Bock Super Rock’17, dia 13 – Estava tudo a pensar no mesmo: Red Hot Chili Peppers
Super Bock Super Rock’17, dia 13 – Boogarins, Morby e Tigerman: A Luta de David contra Golias
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 Ambiente
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 Boogarins
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 The Orwells
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 The New Power Generation Feat Bilal
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 Kevin Morby
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 Throes + The Shine
Super Bock Super Rock 2017 Dia 13 The Legendary Tigerman

DIA 14

Super Bock Super Rock’17, Dia 14 – Se não houver Futuro, Slow J Garante o Presente
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Ambiente
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Pusha T
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Jessie Reyes
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Keso
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Slow J
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Octa Push
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 The Gift
Super Bock Super Rock 2017 Dia 14 Akua Naru

DIA 15

Super Bock Super Rock’17, dia 15 – Quando não se pode ter tudo, tem-se Deftones
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Ambiente
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Bruno Pernadas
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Stone Dead
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Taxiwars
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Foster The People
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Black Bombaim
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 James Vincent McMorrow
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Sensible Soccers
Super Bock Super Rock 2017 Dia 15 Fatboy Slim

 

Texto – Tiago Pinho
Fotografia – Luis Sousa | Vera Marmelo (Língua Franca)
Evento – Super Bock Super Rock 2017
Promotor – Música no Coração