Depois do NOS Alive ter tomado a sua residência anual no Passeio Marítimo de Algés, o concelho de Oeiras acolhe outro dos festivais mais calorosos da temporada de Julho: o EDPCOOLJAZZ. Ao longo de dez dias, os Jardins de Marquês de Pombal e o Estádio Municipal de Oeiras (junto Parque dos Poetas) acolhem um total de catorze concertos, com cada dia a albergar dois artistas distintos.

Desde o seu aparecimento, o festival de Oeiras destaca-se pela forma como consegue reunir variados artistas de renome, tanto nacionais como internacionais, apostando numa oferta de sonoridades como blues, soul e, como não poderia deixar de ser, o jazz; Sting, Seal ou Diana Krall são apenas alguns dos nomes que já passaram pelo festival em edições anteriores.

A juntar-se às calorosas sonoridades com que o seu cartaz nos presenteia, o EDPCOOLJAZZ beneficia da sua localização, dando a oportunidade de assistir a concertos em espaços belos e simbólicos, uma junção entre o património histórico de Oeiras que se alia à Natureza característico da zona para levar a cabo algumas das noites mais marcantes deste Verão, um dos mais quentes desde que há registo.

Tendo em conta as temperaturas elevadas que este mês de Julho têm estado a apresentar, o cartaz da edição deste ano do EDPCOOLJAZZ segue essa mesma linha soalheira, com Rodrigo Y Gabriela a darem o pontapé de saída do festival já no dia 18 de Julho. A dupla oriunda do México, já bem conhecida entre o público português, levantou o véu sobre as possibilidades sonoras que um conjunto de guitarras acústicas pode fazer, naquilo que por muito é apelidado como um cruzamento entre “Jimi Hendrix, jazz fusão e flamenco”. Sendo precisas apenas duas guitarras para conduzir atuações galopantes com um toque de emotividade à misturada, prevê-se uma tempestade de ritmos folgazes e incandescentes pelos Jardins do Marquês de Pombal, cabendo a Márcia, cantautora portuguesa, a honra de fazer a primeira parte.

O nome mais sonante da 14º edição do EDPCOOLJAZZ será, sem dúvida, The Pretenders, o grupo de Chrissie Hynde e Martin Chambers que fez o delírio de muitos na época de 80 ao som de êxitos como “Don’t Get Me Wrong” ou “Back On The Chain Gang”. Passados quase dez anos desde o seu último disco de originais, a banda voltou ao ativo o ano passado com o recente Alone, álbum que muito provavelmente será o mote do concerto de dia 19 de Julho, embora certamente os clássicos do passado não serão esquecidos. A juntar-se à classe intemporal dos The Pretenders, estará a pop sedutora de Rita Redshoes, com o mais recente Her ainda bem fresco nos ouvidos portugueses e a marcar um regresso bem aguardado, prevendo-se uma enchente considerável no Estádio Municipal de Oeiras.

Tendo o próprio estilo ilustrado no nome do festival, no dia 20 de Julho o jazz estará representado da melhor forma no EDPCOOLJAZZ aos sons de Maceo Parker e o seu inseparável saxofone. Tendo trabalhado com o incontornável James Brown, o norte-americano concilia ritmos do funk com o seu jazz saído diretamente da época de 60, fazendo com que as sonoridades de outrora se encaixam de uma forma tão presente nos dias de hoje, demonstrando que a música do passado terá sempre um espaço no atual panorama musical. O funk estará também representado em português através de Da Chick, a irreverente artista que promete aquecer o público com os seus ritmos vibrantes e convidativos a uns quantos pezinhos de dança.

Num dia dedicado exclusivamente à música brasileira, Maria Gadú e Filipe Catto irão mostrar o melhor que se faz para além do Atlântico. Ambos dotados de timbres absolutamente deliciosos e únicos, com a artista a recorrer a um ambiente mais intimista enquanto o jovem, visto como uma das grandes promessas do Brasil, a optar por uma sonoridade mais composta, os Jardins de Marquês de Pombal preparam-se para acolher dois polos completamente opostos da música brasileira – que sempre esteve representada da melhor forma ao longo de todas as edições do festival – mas que partilham a grande essência que todo o artista que pisa o EDPCOOLJAZZ nutre face à música: o amor e o sentimento pela mesma. Será esta a proposta para o dia 23 de Julho.

Quando Jake Bugg surgiu com o seu disco homónimo em 2012, inúmeros foram os elogios face ao jovem artista, com muitos a compararem-no a Bob Dylan. Com já três discos na bagagem, o britânico tem-se vindo a afirmar como uma das grandes vozes indie da atualidade, regressando a Portugal passados três anos desde a sua última passagem por solo português – foi em 2014, no último ano do Super Bock Super Rock no Meco. Juntamente com Bugg, o dia 25 de Julho contará também com a presença de Jorge Palma. Dispensando apresentações, o consagrado artista português será uma das vozes nacionais com maior destaque no EDPCOOLJAZZ, apresentando temas como “Frágil” que ainda hoje são cantarolados por diversas gerações. Conciliando o passado com o presente, os Jardins de Marquês de Pombal irão albergar dois grandes concertos no espaço de uma noite, ou como a organização publicita, “uma noite, dois grandes concertos”.

No dia seguinte, 26 de Julho, a premissa de “uma noite, dois grandes concertos” mantêm-se com Luísa Sobral e Jamie Lidell & The Royal Pharohs. Apesar de todo o mediatismo que a autoria do tema “Amar Pelos Dois”, que veio a ganhar o festival da Eurovisão, lhe deu, Luísa Sobral sempre foi um nome incontornável da música portuguesa, não só tendo uma carreira sólida como sendo uma das poucas estrelas a sair do programa Ídolos e a conseguir vingar no panorama musical português. Nessa mesma noite, o EDPCOOLJAZZ irá receber a espontaneidade e genuidade do soul através de Jamie Lidell, o britânico que tem prendido este género musical nos nossos ouvidos logo nos primeiros nuances das suas canções. De forma a atribuir o relevo merecido do soul numa atuação ao vivo, Lidell faz-se acompanhar pela The Royal Pharaohs, banda de apoio que permitirá ao artista recriar todas sonoridades místicas que o acompanharam em sete discos de carreira.

Como diz a gíria popular, “o melhor fica sempre para o fim”; na última noite do EDPCOOLJAZZ, a eterna paixão do público português, Jamie Cullum, regressa ao nosso país para encerrar o festival no Estádio Municipal de Oeiras. Apesar de ser uma presença constante (quase) todos os anos, o britânico consegue sempre encher os seus concertos por onde quer que passe por Portugal, sendo um dos grandes nomes da atualidade ao que o jazz diz respeito. Mesmo com um extenso catálogo de discos e temas originais, como “Everlasting Love”, esperam-se arranjos de outros temas, como “Don’t Stop The Music” de Rihanna ou “High And Dry” de Radiohead, assim como improvisos alucinantes como o músico sempre nos habituou. Nesta noite de 29 de Julho, Jamie Cullum terá a companhia de Beatriz Pessoa na primeira parte do espetáculo.

18, 19, 20, 23, 25, 26 e 29 de Julho serão as datas para a 14ª edição do EDPCOOLJAZZ, prevendo-se um festival repleto de excelentes concertos como, com o passar dos anos, já se veio a tornar numa espécie de tradição, com a Música Em DX a marcar presença ao longo de todo o festival.

+info em facebook.com/EDPCOOLJAZZ/ | edpcooljazz.com

Texto – Nuno Fernandes
Promotor – Live Experiences