Nako Richelle Case é uma daquelas mulheres que queremos ser quando formos grandes. Talentosa quanto baste, incorporou as artes no seu modo de vida, começando nas artes plásticas passando pelo design gráfico e estacionando na música no final dos anos 1990. Quase meio século de um charme vistoso e dona de uma voz quente e translúcida. Voz essa que iniciou no country mas foi na folk que se atreveu a desbravar caminho em nome próprio.

20190619 - Concerto - Neko Case @ Cinema São Jorge (Lisboa)

Originária de Alexandria (Virgínia), Neko Case tem vivido em várias cidades dos Estados Unidos mas foi na cidade de Vancover, no país vizinho, que levou a música mais a sério, nomeadamente na colaboração (constante) com o grupo The New Pornographers. Em 2011 gravou um dueto com o australiano Nick Cave, “She´s not there”, mas foi em 2013 que lançou “The Worse Things Get Harder I Fight, Harder I Fight More I Love You”. Há praticamente um ano, Neko Case editou o seu mais recente álbum “Hell-On”, e foi com esse propósito que decidiu fazer uma pequena tour europeia onde incluiu Lisboa.

Acompanhada com mais três músicos, Neko Case cantou e encantou uma plateia maioritariamente estrangeira, na Sala Manoel de Oliveira no Cinema S. Jorge na passada semana.

20190619 - Concerto - Neko Case @ Cinema São Jorge (Lisboa)

Os instrumentos de cordas estiveram em destaque no palco, chegando muitas vezes a estar quatro guitarras em simultâneo. A percussão por vezes completou as teclas, mas era Neko que dominava a pandeireta e as maracas. Aliás o domínio do feminino fez-se sentir no palco, estando a guitarra eléctrica e a guitarra clássica nas mãos das meninas dos coros. Na verdade não eram bem “coros”, eram mais do que isso. Uma das vozes (guitarra clássica) no tom agudo e por isso muito distante do de Neko (grave e meloso) aparecia em todas as músicas e em muitas situações do início ao fim do tema. Os quatro músicos estiveram sempre muito descontraídos e em diálogo uns com os outros, o que fez com que reduzissem aquele palco imenso e encurtassem a distância com o público.

Mais de duas dezenas de bonitas canções que Neko escolheu do seu vasto repertório, porque na verdade entre colaborações e em nome próprio conta já com 10 álbuns editados e mais outra dezena entre singles e EP´s. “Hell-On” abriu o concerto e “Hold On Hold On” fechou, durante uma hora e meia Neko Case deu-nos momentos mágicos, como “ Wish I Was The Moon” (Blacktisted, 2002) ou “Maybe Sparrow” (Fox Confessor Brings the Flood, 2006). Neko é daquelas artistas completa, uma voz sublime que dá corpo a magnificas composições. Esperemos ver um dia Neko Case novamente a Portugal sozinha com a sua guitarra, isso será o bastante para nos encher a alma.

Deixa um comentário