Os franceses Les Lullies desceram a Lisboa na passada sexta à noite, mais concretamente até ao Sabotage Club, prometendo uma noite plena de riffs orelhudos e cheios de adrenalina. Completamente dentro do ambiente que sempre se vive ali nas paragens da Rua de São Paulo o quarteto circulava pela sala ainda antes do concerto e aproveitaram bem o tempo enquanto a sala se ia compondo lentamente.

Breves e sucintos como as suas músicas apresentaram-se em palco sem grandes cerimónias para nos entregar a sua formula de energia eterna. Tocaram as músicas que compõem o EP editado no final de 2017, Don’t Look Twice através da Slovenly Recordings. O quarteto funciona como uma só peça isso é um facto, no entanto, na noite de sexta, vá-se lá perceber porquê essa peça única que compõe o quarteto oriundo do sul de frança, parecia completamente desfasado do seu som. O som é o garage punk que já sabíamos que era, consistentemente orelhudo e divertido, curto e directo  Mas a atitude da banda em palco perdeu-se algures nas ruas do Cais do Sodré. Salvou-os o público bastante mais entusiasmado com a banda e o clube do Cais do Sodré com uma moldura humana bastante simpática e frenética e com muita vontade de dançar, a quem o concerto de cerca de 50 minutos soube a muito pouco. A sensação foi de que a qualquer momento se daria a explosão que antevíamos, e ficámos suspensos nesse momento do principio ao fim. Foi como se o concerto estivesse de certa forma incompleto. Les Lullies deixaram-nos na expectativa de que são capazes de coisas maiores, que decerto todos vamos querer voltar a ver.

Deixa um comentário