No passado sábado, dia 09, a Galeria Zé dos Bois fez uma viagem a 2012, e recebeu Cass McCombs, um dos pesos pesados do folk-rock norte-americano. Um nome que dispensa apresentações, muito menos para uma plateia esgotada que não deixou de bem receber um artista que esteve em tour pelo país agora no início de novembro. Um regresso há muito esperado e bem acolhido.

A ZdB já se tornou a casa emprestada de Cass McCombs em Portugal já faz alguns anos. 2011 foi a data da estreia do norte-americano nas províncias lusitanas, com a nobre instituição a tornar-se palco para a apresentação do álbum Wit’s End. A fórmula do sucesso estava encontrada e no verão de 2014, Cass passou mais uma vez pelo mesmo palco para apresentar o The Big Wheel and Others. Mas como se diz, “não há duas sem três“, e o Tip of the Sphere tinha de ser apresentado no mesmo lugar. Depois de Braga e Porto, a paragem em Lisboa só fazia sentido ali.

Antes do concerto de Cass McCombs, a abertura do palco ficou a cargo da Katy J Pearson. Uma voz terna e acolhedora que surpreendeu pela positiva. A artista que confidenciou que é a sua primeira tour pela Europa – para quem não viu, tem no Spotify o single Tonight – apresentou tons de pop alinhados com indie, num resultado que levou a abanar o pezinho, enquanto a sala ia enchendo e ficando cada vez mais apertada. Se for possível fazer previsões, é de reter este nome para um regresso, porque valerá bem a pena.

Quanto ao concerto de Cass McCombs em si, foi um concerto a duas velocidades. Mas não considere estas duas velocidades. Entre o rock desenfreado e a nostalgia, fomos interpelados pelo sentimento, pela intensidade, pela calmaria. Tudo a encaixar em sintonia e sem perder o encanto. A abertura do concerto foi feito com foco no novo disco, com o I followed the River South to What, mas logo de seguida a primeira aclamação do público surgiu com o Bum Bum Bum. Acompanhado com uma banda composta por baixista, baterista e teclista, a banda prosseguiu viagem com a história do assalto The Great Pixley Train Robbery.

Depois de temas como o Confidence Men e o Big Wheel, os temas Real Life e County Line foram temas que contaram um registo mais acústico. Cass McCombs mostrou a sua versatilidade e mestria ao longo do concerto, e confirma como é um dos artistas do momento. Ao longo de todo o concerto, o novo álbum é o principal foco de atenção, com temas como o American Canyon Sutra, Rounder, Trying Up Loose Ends e Sleeping Vulcanoes a constarem da setlist do concerto.

Uma carreira longa, em que se contrastam temas de rock, indie, folk e country. Este cartão de visita faz com que também tenhamos direito a ouvir temas mais antigos como o Opposite House, Not The Way ou ainda I’m a Shoe, presente no encore. Contrastando com o frio que se fazia sentir na altura, a vinda de McCombs a Portugal, mais uma vez aqueceu os corações da audiência esgotada.

Deixa um comentário