Foi na segunda-feira, dia 23 de Setembro, que as portas do Verão se fecharam para dar lugar à meteorologia inconstante do Outono. Por norma, a estação das folhas vermelhas tende a ser acompanhada por frio, vento e chuva, clima perfeito para se ouvir aquela playlist de canções aconchegantes no reconforto do lar. Mas há sempre exceções à norma, feitos de dias de bom tempo e de caloroso sol pendurado no céu.

E foi num dia como este que Portugal acolheu o regresso dos Allah-Las, dois anos após a sua última passagem pelos nossos palcos. Para a ocasião, os californianos trocaram o MusicBox pelo Lisboa ao Vivo, mas a capacidade de esgotar salas manteve-se. LAHS, quarto disco de originais e que viu o seu lançamento este ano, foi o principal mote da noite. Porém, antes de se matarem as saudades, houve tempo para escutar Tim Hill.

Responsável pelos teclados dos Allah-Las em palco, Hill deu a conhecer um pouco do seu registo folk intimista. Porém, o artista não encontrou muitos receptores para as mensagens das suas canções, ou não estivesse um enorme burburinho por quase toda a sala, quase ofuscando a voz do músico. Perante tal cenário, uma cerveja no exterior da sala acabaria mesmo por ser uma fonte de entretenimento pré-concerto bem mais apetecível.

Pouco passava das dez da noite quando a noite deu lugar ao dia e com ele veio o sol da Califórnia dos Allah-Las. Dando o pontapé de saída a uma nova tournée europeia na nossa cidade de Lisboa, o quarteto californiano não poderia pedir melhor arranque, sendo contagiados com a energia do público português desde o primeiro minuto.

20190925 - Concerto - Allah-Las @ Lisboa Ao Vivo

Para além daquelas que causam variadas sensações ou que influenciam o nosso estado de espírito, existem canções capazes de nos remeterem para diferentes datas, locais e, no caso dos Allah-Las, estações do ano; Verão, para se ser mais exacto. O surf rock da banda transporta-nos de imediato para o clima soalheiro da Califórnia, naquilo que poderia ser considerada como a derradeira despedida à estação do ano predilecta para muitos.

Logo ao início ouve-se “Prazer Em Te Conhecer”, novo single da banda que os vê a aventurarem-se pela língua portuguesa, e com ela veio os primeiros trauteios, mãos no ar e corajosas às cavalitas dos seus cônjuges; “peço desculpa pelo meu sotaque, não é lá muito bom”, confessaria Miles Machaud logo depois. Mesmo que (ainda) não domine a língua portuguesa, o frontman dos Allah-Las sabe bem como conquistar a plateia, rompendo-a de elogios capazes de deixar qualquer um com um sorriso de orelha a orelha.

20190925 - Concerto - Allah-Las @ Lisboa Ao Vivo

“Busman’s Holiday”, “Sacred Sands”, “Ferus Gallery” ou “Fish In The Sand” foram alguns dos pontos altos de uma noite repleta de boa disposição e descontracção, tal como a sonoridade dos Allah-Las assim dita, ou não fosse esta uma das poucas bandas que conseguem bombear o coração da música rock dos anos 70 em pleno século XXI. E numa altura onde as guitarras são cada vez mais postas de parte nas salas de gravação, um bem-haja a bandas como os Allah-Las.

Já perto do fim, e depois da confissão de que não haveria melhor cidade para dar arranque à tournée europeia do que Lisboa, “Cataraman” apareceu como ponto final nesta belíssima noite de quarta-feira. Acabaria, também, por ser o ponto final no Verão de 2019, ou não estivesse uma fresca brisa à porta do Lisboa ao Vivo no final do concerto, isto depois dos quase trinta graus que se fizeram sentir ao longo do dia. Há coincidências mesmo agradáveis, não há?

Deixa um comentário