Se pudéssemos, uma vez por mês, pelo menos, voltar à envolvência quente da adolescência e sentir que somos capazes de tudo, seríamos todos muito mais felizes! Este pensamento acompanhou-se a casa na passada sexta-feira.

A necessidade intrínseca que existe em todos nós de querer tocar o céu e planar por cima de tudo tal como sentíamos há 20 anos atrás é algo que, volta e meia, desperta e nos faz sentir a pureza do sangue a correr nas veias. Falo, especialmente, da noite do dia 16 de Fevereiro, na Aula Magna. Noite a cargo dos Orchestral Manoeuvres in the Dark e BALLA, na primeira parte.

BALLA, projecto que Armando Teixeira fundou há 17 anos, trouxe uma pop dançante cantada em português. No facebook da banda, podia ler-se: “BALLA é a banda escolhida para fazer a primeira parte do concerto de Orchestral Manoeuvres in the Dark, esta sexta-feira, na Aula Magna. “Que tiro foi esse?”, perguntam vocês.” prevendo-se já, de antemão, o que se ia passar, não fosse a escolha da pergunta a fazer demasiado reveladora. A plateia acolhia as músicas e viam-se leves abanões de cabeça. O ritmo dos beats soava a 80’s mas a voz, por vezes, soava a baile não fugindo muito a isso durante cerca da meia hora que durou o espectáculo. A performance é excelente e consegue cativar a plateia, que aproveita para acalmar a ânsia pelo que vinha a seguir. Ouvimos “Outro Futuro”, “Quebro”, “Sobressalto” do último disco, “Fim da Luta”, entre outras.

 

A plateia condizia com a idade de banda e, a satisfação que se via por toda ela, era algo extremamente reconfortante. Mal os OMD entraram em palco viu-se uma onda gigante a erguer-se. A Aula Magna não podia satisfazer um concerto onde o abanar de anca e a diversão eram as palavras de ordem. Um jogo de luzes brilhante e uma intro que misturou “Art Eats Art” e “La Mitrailleuse” de forma a começar de princípio a inserir o novo álbum. Uma explosão de cores e sons entravam em nós e sentiamo-nos absorvidos por todo aquele ritmo. The Punishment of Luxury, lançado em 2017 vinha mostrar-se e a causar arrepios de satisfação por aquela sala esgotada. “Ghost Star” vinha a seguir e terminava com um abraço de McCluskey a si próprio. “Finalmente!! É bom estar aqui” rematava ele, ao mesmo tempo que anunciava que trazia música nova, antiga e muita dança!! A energia dele era contagiante e, levaria a sala ao rubro. Sem darmos conta, uma aura de emoção preenchia o espaço aéreo vazio e fazia com que encontrássemos o tal quentinho da adolescência.

20180216 - Orchestral Manoeuvres In The Dark + Balla @ Aula Magna

Parar de dançar seria um crime pecaminoso! Era aqui que entravam nas músicas antigas com “Messages”, “Tesla Girls” e “History of Modern (Part I)” de seguida. Depois de “One More Time”, do mais recente disco, os gritos eufóricos e os braços no ar faziam-se valer. “(Forever) Alive and Die”, “If You Leave”, “Souvenir”, “Talking Loud and Clear” entravam como mel pelos ouvidos e saiam como raios pelo corpo. A seguir à nova “What Have We Done”, McCluskey afirma com o pulmão cheio que aquilo era música pop para dançar e que se quisessem cultura ou algo intelectual deveriam ir para casa. Nem sempre precisamos de desenvolver o intelecto para estimular sensações e libertar o corpo… Nesta noite, a vontade era dançar até perder as forças! As deles e as nossas! “Locomotion” e “Enola Gay” instauraram a euforia, que já não era pouca. O encore foi com “Pandora’s Box”, “Secret” e a música mais antiga, mais rápida e, também, uma das melhores – “Electricity” – para não nos deixar perder a energia electrizante e sairmos com uma satisfação ainda maior.

The Punishment of Luxury, traz com ele um sintetizador mais maduro e elaborado. No entanto, nunca são esquecidas as raízes dos anos 80 que nós tanto adoramos. A dupla diante de nós prova firmemente que a idade são meras escolhas, brindando conosco aquilo que de melhor temos: a música!  Ficou a promessa de um regresso breve e uma alma repleta de sensações nostálgicas contagiantes!

 

Texto– Eliana Berto
Fotografia – Luis Sousa