Foi na passada sexta-feira que o Sabotage acolheu, vindos de Coimbra, os The Walks, que tinham para oferecer ao público lisboeta o novo álbum, Fool’s Gold. Se nos últimos dias tínhamos a sensação que o álbum era de rock n roll no seu estado natural, as dúvidas dissiparam quando John Silva e companhia subiram ao palco.

Com um atraso à la Sabotage (quem conhece, já se sabe que nunca começa a horas), The Walks tiveram um início a fazer lembrar bandas britânicas, com o seu brit rock (falo de Blurs e Kasabians desta vida). O Holding On, que também faz parte o EP “R”, figurou neste começo.

EP que também foi lembrado no concerto. Riding The Vice, se calhar, um dos temas mais conhecidos da banda, foi o que fez mexer mais com o Sabotage, que ainda assim, se mostrou tímido e reservado. Também, em abono da verdade, o registo algo apático do frontman, algo distante do público, não contribuiu para o efeito. Para além do Riding The Vice, Before and After, foi outro tema tocado do EP que resultou no concerto.

“Esta é para darem tudo”, disse John Silva, antes de tocarem o Move Along, registo mais punk, a pedir que as colunas toquem o mais alto possível, clichê do género. Pedido correspondido, e como hábito, uma pessoa até fica atordoada (no bom sinal).

Há que também fazer menção à restante banda que trabalhou em prol da equipa, e que desempenhou um papel sem repreensão. Paula Nozzari na bateria, Nélson Matias na guitarra, Gonçalo Carvalheiro no baixo e Miguel Martins, também na guitarra, cumpriram sem espinhas o propósito da vinda da banda à capital.

Quem esteve presente neste pequeno festim foi Victor Torpedo, guitarrista dos The Parkinsons e Jorri Silva, teclista dos A Jigsaw, que foram aparecendo aqui e acolá para tocar alguns dos variados temas da banda.

No final, para encore, como já não havia mais músicas novas, voltou-se a tocar Clockwork, o single de estreia do álbum, que já anda pelas rádios, e recomenda-se. The Walks, com missão cumprida em Lisboa, têm agora uma caminhada por Portugal para apresentar o novo álbum. Que tudo corra pelo melhor.

 

Texto – Carlos Sousa Vieira
Fotografia – Luis Sousa