Uma voz expressiva inconfundível. Uma música espaçosa assente no Fado. Um trabalho de composição singular à volta da poesia de Camões. Eis “Fado Camões“, o novo álbum de LINA_ a editar mundialmente a 19 de janeiro, pela editora alemã Galileo Music, depois de há três anos ter surpreendido o mundo ao lado do produtor e músico espanhol Raül Refree, num álbum com vista para Amália, celebrado nos palcos do globo.

LINA_ regressa agora na companhia do produtor e músico britânico Justin Adams, naquele que acaba por ser um álbum mais pessoal, tendo como base a lírica de Camões, a composição de fados tradicionais e também da autoria da própria cantora. Segundo ela, a ideia começou a tomar forma depois de se debruçar sobre a vida de Amália e de ter percebido que o poeta de que mais gostava era Camões. “Fiquei curiosa, quis conhecer mais, para além dos ‘Lusíadas’ ou dos ‘Sonetos’, e fui descobrindo que as temáticas de Camões – a mudança, a infância, o amor, o desamor ou a descrição da natureza – se podiam adaptar ao fado e às suas métricas“.

Um encontro entre cantora e poeta que, um outro poeta e ensaísta, Nuno Júdice, descreve assim:

«Para cantar um poema perfeito, só uma voz perfeita. A forma como ambos se conciliam fazem-nos ouvir, para lá dos tempos, dos instrumentos e das palavras o canto da própria poesia. É esse milagre que temos na voz de LINA_ e na recriação musical que encontramos ao longo destas canções. Mais do que o que fado, mais do que uma identidade portuguesa, é o regresso a esse espírito ibérico que caracterizou Portugal até ao século XVII que agora vemos renascer, com a pureza sem preconceitos de uma interpretação em que o português e o galego se unem em total harmonia, como na origem galaico-portuguesa das duas línguas hoje autónomas.»

– Nuno Júdice –

Existem justificadas expectativas sobre este novo trabalho, depois do reconhecimento do anterior registo – álbum do ano para a World Music Chart de 2020 ou Prémio Carlos do Carmo 2021, entre muitos outros – abrindo-se agora um novo capítulo ao lado de Justin Adams, músico, compositor e produtor, conhecido por produções para Robert Plant, Rachid Taha, Tinariwen, Jah Wooble ou Souad Massi, ou pelas colaborações com nomes distintos como Brian Eno ou Sinead O’ Connor. Numa frase: alguém que sempre esteve comprometido com essa ideia de misturar o tradicional com elementos contemporâneos. Tendo crescido no Egipto, promoveu o encontro dos blues com as dinâmicas tradicionais da música do Magrebe, sendo agora essas influências transportadas para o trabalho com LINA_.

Não surpreende que a voz e os acordes da guitarra portuguesa, que nos remetem para o Fado, coabitem com um certo balanço e clima africanizado, como em “Quando vos veria“, ou “In labirinto“, com a presença subtil da percussão por entre a voz, ou no lado solto de “Desencontro“, enquanto em “O que temo e o que desejo“, um dueto com o Asturiano agitador folklórico Rodrigo Cuevas, é um insinuante ritmo latino que se encontra com os acordes do Fado.

É, ao mesmo tempo, uma nova e uma familiar LINA_ que entrevemos no novo trabalho. A elegância despojada do passado recente, ainda está lá, mas agora existe uma nova espacialidade, onde a voz sobressai por entre piano, guitarra e quase silêncio, criando outros cenários, com a dor, justeza e dignidade, a par, como em “Desamor” ou “Senhora minha“. Em “Amor é um fogo que se arde sem se ver“, a voz de LINA_ suspende-se, numa atmosfera quase próxima do silêncio, apenas alguns acordes de guitarra e uma névoa digital como suporte, enquanto em “Pois meus olhos não cansam de chorar“, são integrados ruídos concretos por entre notas de piano, com a poesia de Camões a revelar-se em cenários de melancolia, mas também de celebração.

Em estúdio estiveram Pedro Viana, na guitarra portuguesa, o inglês John Bagott, que já operou com os Massive Attack, Portishead ou Robert Plant, em piano e teclas, e Ianina Khmelik, em dois temas, no violino.

O Raül e o Justin têm essa curiosidade em descobrir ligações entre o tradicional e o contemporâneo, mas desta vez o processo foi diferente”, reflete Lina. “Neste caso fui eu que fiz em casa as ‘demos’ e idealizei os ambientes de cada música, surgindo depois os arranjos e os processos de produção. Foi árduo. Daí ser um disco assinado apenas por mim. Em relação ao anterior, este é mais debruçado na língua, na escrita, na poesia e na estrutura dos poemas do Camões que se podem unir ao fado. O outro tinha mais a ver com a música, o som, as texturas

– LINA_ –

Uma obra mais personalizada, o que não significa, obviamente, um leque de colaborações menos importantes, como aconteceu com Amélia Muge, que para além de ser autora da música e letra da canção “Senhora minha“, constituiu uma voz importante na adaptação das letras. “Nada se faz sozinha“, diz LINA_. “A Amélia foi muito especial. O meu ombro neste caminho. As suas opiniões foram fundamentais. Aprendi imenso com ela“.

Na digressão que tem início em janeiro, LINA_ estará em voz, sintetizadores e percussão, Pedro Viana, em guitarra portuguesa, Ianina Khmelik, em violino, piano acústico e sintetizadores, prevendo-se que John Baggott também venha a estar presente em algumas datas. O que não invalida que LINA_ continue a actuar assiduamente no Clube de Fado, em Lisboa, onde é residente: “É um treino vocal e emocional“, como ela diz, para se alcançar resultados como os de “Fado Camões“, onde a sua expressão vocal, e a música, renovam o fado, e a alma de quem a ouve.

DIGRESSÃO LINA_ 2024

17 FEVEREIRO – BEJA (PT) – Teatro Pax Júlia
12 MARÇO – MADRID (ES) – Teatro Pavón
14 MARÇO – LLEIDA (ES) –  Mude Festival
15 MARÇO – PARIS (FR) – Studio de l’Ermitage
16 MARÇO – BORDAEUX (FR) – Rocher de Palmer
29 MARÇO – OEIRAS (PT) – Auditorio Ruy de Carvalho
13 ABRIL – LUDWIGSBURG (DE) – Forum Am Schlosspark
31 MAIO – DORTMUND (DE) – [Sala a confirmar]
5 JULHO – FORDE (NO) – Førde Festivalen

Fotografia (capa) –  Luís Mileu

Deixa um comentário