Ainda que tenham começado em 2008 a explorar música juntos, enquanto grupo de amigos e de uma forma descomprometida, foi em 2016, com o lançamento do disco homónimo que Imarhan encontraram um espaço anteriormente explorado pelos Kel Assouf e pelos próprios Tinariwen. Dentro deste universo do rock tuaregue, acrescentaram uma linguagem muito própria àquilo que faziam – numa junção com base em ritmos pan-africanos, melodias e riffs sonantes inspirados no pop rock que sempre consumiram na adolescência. Esse caminho tornou-se ainda mais claro aquando da edição de “Temet” (2018), que levou a banda até vários palcos internacionais, incluindo Portugal, no Vodafone Paredes de Coura.

Em 2019, os membros de Imarhan construíram um estúdio de gravação na cidade de Tamanrasset, a primeira estrutura profissional da região do Saara que permitia aos músicos locais gravar música pela primeira vez. Era inevitável que “Aboogi“, o nome deste estúdio, se tornasse o nome do disco gravado ali e lançado recentemente (janeiro de 2022) pela City Slang. Em “Aboogi”, ouvimos a diversidade, a beleza e a opressão vividas na cidade do sul da Argélia, num registo mais sereno (mas não menos colorido) de Imarhan, que conta com as colaborações de Abdallah Ag Alhousseyni (Tinarwen), da cantora sudanesa Sulafa Elyas e até de Gruff Rhys dos Super Furry Animals.

“Aboogi” é apresentado esta sexta no Musicbox, a preço de 10€. Toda a informação sobre o concerto pode ser consultada em musicboxlisboa.com.

Fotografia (capa) – Fehti Sahraoui

Deixa um comentário