Homem em Catarse, desde 2013 o projeto a solo do multi-instrumentista e compositor Afonso Dorido, lançou em 2021 o terceiro longa-duração – sete fontes –, fruto de uma residência artística no gnration (Braga) e que figurou em diversas listas de melhores discos nacionais, do ano de 2021.

Agora e depois das primeiras apresentações do novo disco,  chega a hora de Lisboa e do Barreiro.

Para Março está já também confirmado, concerto no Teatro Municipal da Covilhã.

25 Fevereiro_ Village Underground Lisboa, 22h

Bilhetes: https://e.3cket.com/7bfc45db6d6e4da194cd0aa70578e2eb

26 Fevereiro_Sala 6, Barreiro (showcase), 22h

Bilhetes à porta no dia

31 Março_Teatro Municipal, Covilhã, 21h30

Nascido a 11 de dezembro de 1982 em Barcelos, reside desde 2015 na cidade de Braga. Cedo mostrou apetência para as artes nomeadamente a música iniciando estudos de guitarra clássica com 14 anos. Em 2004 participa na formação da banda indignu [lat.] e desde então assume o pseudónimo de Afonso Dorido, devido seu fascínio pela obra poética heterónima de Fernando Pessoa, que tem celebrado também com a escrita participando por exemplo no livro que celebra a obra de Eugénio de Andrade, “O sol é secreto”. Tem marcado os seus passos no mundo da música com participação em alguns projetos como indignu[lat.] e Homem em Catarse, este último desde 2012 e tocado em diversas salas por todo o país e além fronteiras. Em 2017 lança o LP Viagem Interior que aborda a temática do interior esquecido e das raízes das suas gentes com 17 temas referentes a 17 locais do país mais longe dos grandes centros e já em 2018 no disco Umbra de indignu [lat.] trabalha com músicos como Manel Cruz ou Ana Deus, apresentando o mesmo por Portugal e Espanha. Nesse mesmo ano grava nos Jardins do Museu Nogueira da Silva em Braga seu primeiro disco ao vivo. Em 2019 participa em várias residências artísticas em clausura no farol do cabo de São Vicente em Sagres no qual compõe BS para mini-filme sobre vida de faroleiro ou compondo um tema para o Festival Fazunchar em Figueiró dos Vinhos. Faz a sua maior tour pelo país vizinho com mais de uma dezena de apresentações ao vivo. Com o colectivo indignu[lat.] apresenta-se pela primeira vez na Noruega.
Em Janeiro de 2020 sai com o apoio da Fundação GDA sai sem palavras | cem palavras, cujo o primeiro avanço resulta num vídeo com a curadoria da Mistaker Maker e a realização de Vasco Mendes.
Fruto de uma parceria artística com o gnration (trabalho da casa), nasce o novo e desafiante sete fontes, completamente escrito ao piano e cujo o primeiro avanço Santa Marta das Cortiças está a ter boas reações do público e da crítica.
Sete fontes tem edição Regulator Records (cd e k7) e Golden Pavilion (vinil, numa edição numerada e limitada).

Deixa um comentário