Joep Beving é um dos pianistas vivos mais ouvidos do mundo, contando com uma impressionante soma de 85 milhões de streamings.

Estes números são representativos do alcance da particular visão do holandês. Com quase dois metros de altura, barba e cabelo abundante, a sua imagem não corresponde, provavelmente, ao que se imagina se nos depararmos com uma peça como Sleeping Lotus numa plataforma de streaming: a sua vertente melancólica traduz-se em melodias de profunda capacidade de envolvimento o que já levou a que as suas composições sejam descritas como “música para os sonhos”.

Henosis, o mais recente e triunfal álbum de Joep Beving, vencedor de um prémio Edisonserve de base a um concerto de maravilhamento absoluto, com passagem por momentos mais relevantes da sua obra anterior igualmente assegurados. Uma apresentação absolutamente imperdível e certamente histórica.

De 3 a 30 de novembro decorrerá a 12ª edição do Misty Fest. Um festival único no panorama nacional de festivais, que se caracteriza com uma programação da mais elevada qualidade artística, privilegiando a qualidade acústica, o conforto e a descentralização, na medida em que decorre em salas de excelência de todo o país. Lisboa, Porto, Espinho, Coimbra, Setúbal, Braga e Torres Vedras são as cidades que vão receber a 12ª edição do Misty Fest, que se irá realizar entre os dias 3 e 30 de novembro de 2021. Entre o fado, o jazz, a contemporânea, a clássica, a world music, a morna, ou a electrónica, nomes da esfera internacional aplaudidos por público e crítica, o Misty afirma-se em 2021 como uma referência sem paralelo no panorama cultural português. 

Deixa um comentário