Os ursos são a personificação das dualidades que vamos enfrentando diariamente. Entre elas, uma que assume mais força, aquela que conjuga a ternura com a destruição. A força demolidora de um urso é tão grande tal a sua beleza e encanto. Assim é “The Return Of The Bear” que marca o regresso dos It Was The Elf que, não sendo ursos, trazem a intensidade e força instrumental necessárias para que a sua música seja impactante em nós.

Na encosta da Serra da Estrela, ao redor de uma fogueira, cinco druidas decidiram juntar a sua sabedoria e criar uma poção sonora que junta todos os elementos e essências da montanha. Ao longe, avistam Elfos e decidem convidá-los a juntar-se a eles nesta criação. Os ingredientes usados para a poção são o heavy, o blues rock, o stoner, a distorção e o psicadelismo.

Quem beber este néctar oriundo do caldeirão dos It Was The Elf, consegue sentir na pele a dicotomia entre o ar quente e gélido que entra pelo nariz e pelos poros da pele e uma sensação de purificação explosiva e enigmática que provém dos pedais e de toda a harmonia que as cordas conjugam.

A música deste quarteto remete-nos para um lugar onde os pássaros cantam, o vento assobia canções de solidão e os rugidos que vêm do desconhecido ecoam pelos vales. Aqueles onde, sem saber como, nos desintegramos e passamos a constituir como um uno.

Os It Was The Elf são o Edgar Ferrão na bateria, Vasco Bicker na guitarra, Emanuel Mareco no baixo e Diogo Ferreira na voz e teclado. Vão lançar o seu segundo longa duração, Ancestors, no próximo dia 25 de Novembro pela Raging Planet que será apresentado no dia 13 no Wodstock 69, no Porto, no dia 04 de Dezembro na DRAC, na Figueira da Foz e dia 07 no Side B, em Alenquer, e em mais locais a anunciar em breve.

Deixa um comentário