Isolamento Voluntário? é o novo disco de Daniel Catarino, mas não estava pensado para o ser. As canções foram surgindo quase como diário cronológico do autor alentejano durante a pandemia, com o intuito de escamotear os momentos em que cada uma delas sentiu necessidade de nascer.

“Não tenho mais medo de morrer do que ontem” e “Um cruzeiro sem embarque”abordam dúvidas e receios do início do confinamento, “Candidatura” e “Coração MuitoEstreito de Gibraltar” são olhares preocupados com a sobrevivência e a liberdade.”Conversa de Cama / Bom Dia”, que é lançada em simultâneo com o disco, resume a esperança e o delírio que se instalaram desde Março de 2020. Ao desaguar no caos, este final tanto é epílogo do ontem como prólogo do amanhã.

Se em “Sangue Quente Sangue Frio” se destacavam os instrumentos acústicos, em”Isolamento Voluntário?” entramos no campo de um indie rock que pisca o olho ao psicadelismo e à música de intervenção. A isto não são indiferentes as participações do disco: Nuno Markl, Inês Barbosa, Pedro Pestana (10.000 Russos, Tren Go! Sound System), João Baião (Amanita Ponderosa), Joel Fausto (Omitir), Xinês (Awaiting The Vultures),Rapaz Improvisado e Eddie Santos emprestaram à distância as suas vozes e talentos a estas canções em que, à imagem dos trabalhos anteriores, Daniel Catarino usa as palavras para traçar retratos poéticos e viscerais.

“A pandemia fez-nos oscilar entre a sanidade e a esperança, da tragédia constante à diminuição dos níveis de poluição, dos excessos de autoritarismo aos gestos mais humanos. Neste disco, que é uma crónica poética mas fidedigna da confusão instalada,estas contradições são abordadas com a empatia de quem compreende o mundo à sua volta e tem o engenho de o condensar em canções desafiantes.” – Jorge Ferreira

Podem ouvir e adquirir o disco aqui.

Deixa um comentário