Muitas vezes somos surpreendidos com bandas que ouvimos e que são compostas por, apenas, dois elementos. Este número tende, por norma, a flutuar ao longo do tempo, seja por necessidade – para abranger e poderem focar-se noutros aspectos com álbuns de originais, seja ao vivo para dar mais liberdade a cada elemento de se dedicar a uma só função. Talvez esteja já a adiantar-me mas a questão que pretendo colocar é, como é que com tão pouco se atinge tanto?
Para clarificar, quando refiro atingir quero referir o todo, a emoção, a complexidade da sonoridade… também, como vivemos numa era onde, apesar de incomum, existe um respeitado número de duos, vou só focar-me em bandas que têm essa estrutura esquelética ao vivo.

A questão colocada percorre-me desde que fotografo concertos e, na verdade, acabo sempre rendido àquilo que duas pessoas conseguem demonstrar em palco onde o menos não corresponde a um decréscimo de qualidade, de todo!

Concerto – Old Man Lizard (UK) + Greengo @ Sabotage Club

Comecemos por uma análise mais crua: o facto de descobrirmos que um mais um são dois, seja por fotos promocionais, críticas, word-of-mouth, o marketing tem um valor adicional, mais adocicado, do que quando se trata de três, quatro ou cinco. Não nego o espanto que me assola, sendo a minha reacção, de imediato, questionar – “só estes?” como primeira impressão. Vejamos um exemplo concreto: comparem duas bandas, uma com só dois elementos e outra com quatro (ou mais, para efeito melodramático e chocante), preferencialmente que não conheçam – vejam as fotos promocionais. Certamente a vossa reacção poderá ser a mesma. De notar que muita promoção feita inclui apenas dois elementos mas, na verdade, a estrutura expande-se face ao que tem de ser executado ao vivo, como referência – Alcest e Truckfighters.

No entanto, na produção, o sentido poderá ser o oposto. Pegando no último exemplo anterior, é imperativo um terceiro elemento para a bateria, o que automaticamente os exclui uma vez que ao vivo são um trio. Para exemplos válidos, falando a nível nacional, os incendiários Her Name Was Fire são dois, ao vivo, ponto. O martelanço dos Greengo de igual modo. O encantamento dos Memória de Peixe e a irreverência dos Algumacena, servem bem para ilustrar o que tento referir.
Internacionalmente, os exemplos multiplicam-se: The White Stripes, Deap Vally, Bell Witch, Battles, Lightning Bolt, Mantar, The Vacant Lots, Medicine Boy, Sneers, Pretty Lightning, The Picturebooks, etc… e se contarmos com duplas de electrónica navegamos para um vasto e ridículo mar: Crystal Castles, Velvet Condom, Lebanon Hanover, The Crystal Method, The Chemical Brothers, Goldfrapp, Daft Punk, Basement Jaxx, Moloko, Chromeo, Groove Armada, etc… Estes últimos exemplos, do campo electrónico, quase merecem um artigo separado, pois como são bandas que usam muito samples, sintetizadores e seus derivados, as possibilidades são infinitas.

Concerto – Her Name Was Fire @ RCA Club

O facto de faltarem elementos nas posições, é colmatado/ajustado com material extra. Pegando no exemplo concreto dos Greengo: o Chaka trata da bateria e também dos samples, enquanto que o Martelo usa dois amps de baixo e um de guitarra, na sua configuração mínima, pois, quando é possível, adicionam-se mais. Nos pedais, incluem fuzz, overdrive, octaver, mais overdrives, wah wah, delay, mais overdrives e talvez mais uns overdrives, rematando com o pedal afinador na board para oscilar. Este último é mais comum mas, ainda assim, veja-se a panóplia de sons e informação auditiva provocada por todo este conjunto.
Aqui, conclui-se que temos um baterista e baixista em multitask: ritmos, martelanço e miscelaneous de um lado, baixo, guitarra, efeitos (distorção, delay, etc), excedentes, gritos de (des)ordem do outro. Não é, de todo, intenção desvalorizar quem já usa setup semelhante mas desconstruir o que esta configuração nos dá, a sua intenção, o seu valor, a reacção que nos provoca pela sua música. Sejamos sinceros, uma simples e pura configuração seria algo extremamente saturado e, provavelmente, aborrecido!

Pedal porn abaixo de Memória de Peixe:

Concerto – Memória de Peixe @ Lusitano Club

O que leva à questão e preocupação de até quando pode ser possível as bandas conseguirem continuar a oferecer-nos algo novo e bom antes de atingirem um desgaste musical? Possivelmente muito rápido. Suponhamos acompanhar o lançamento de um álbum de originais, expectando uma sequela de igual ou superior qualidade. A partir daqui já teremos uma fixação de género e som, dos quais facilmente há uma distinção de tudo o resto e assimilamos a rotina praticada pela orgia sonora. No entanto, em termos de capacidade, alcance e construção criativa há sempre um tecto não muito alto que permite só um ligeiro espaço para epifanias.

Concerto – Cicuta @ Sabotage Club

No drone metal a repetição é o núcleo, pois nos longos tempos dá para incluir algumas essências particulares para quebrar a monotonia, uma chapada para o ouvinte se manter atento. Em situações mais animadoras, exemplificando Cicuta, a mensagem transmitida é mais curta e grossa, mais hip, provavelmente menos atafulhada de efeitos. A mensagem sai mais simples pois o tecto é mais baixo.

Não se pretende comparar mas sim demonstrar que todos os tectos têm alturas diferentes mediante o som, composição, objectivo e material.. A evolução é necessária para a sobrevivência! Podemos mesmo gostar de algum eco provocado pelo que é produzido mas há aqui um risco de desgaste precoce.

Em conclusão, o fascínio reside naquilo que dois seres conseguem produzir para nós. Sejam mais simples, repetitivos, directos, melancólicos ou desordeiros; queremos sempre algo diferente do resto que ouvimos. Talvez o número de pessoas numa banda influencie seja pela estética, seja pela simples curiosidade que temos para perceber do que aí vem. No fim, o que é importante é o que mexe connosco e aqui não há números. Não existe uma quantificação numérica que facilmente possamos mostrar aos outros porque gostamos do que ouvimos, algo que justifique a obsessão e a fome insaciável de querermos mais do mesmo ou algo fresco.

Os duos têm mais trabalho, há mais tarefa distribuída musicalmente, seja na produção ou ao vivo para nos conquistar. Se houver alguém na mesa do merchandising temos já 50% da banda presente e a garantia de levarmos uma memória mais consistente. Uma vantagem que têm é a comunicação entre membros pois a sincronização é mais simples, mas rígida. Pela luta constante diária que têm já merecem o nosso louvor e admiração!

Deixa um comentário