No preciso momento em que os RIDE subiram ao palco do Lisboa ao Vivo, naquela que seria a mui aguardada estreia da banda pela capital, o letreiro na t-shirt de Steve Queralt, baixista, saltou à vista: “post punk”, lia-se. Indumentária curiosa, de facto, ou não fosse a assinatura da sonoridade Ride escrita numa caligrafia completamente oposta apelidada de shoegaze.

O shoegaze foi o estilo pérola dos anos 90, caracterizado pela distorção, pelo ruído, pelo feedback e a obscuridade vocal e, a par de Ride, os My Bloody Valentine e Slowdive eram as estrelas de uma ribalta cujas luzes se foram fundindo com o tempo. 2014 seria o ano de um curto circuito nas mesmas, marcando o regresso da banda ao ativo e aos trabalhos, desta feita mais vocacionado para o rock alternativo.

20200210 - Concerto - RIDE + Crushed Beaks @ Lisboa Ao Vivo

This is Not a Safa Place, disco que data do ano passado, foi o argumento do regresso da banda a Portugal e, apesar de longe de estar esgotado, o Lisboa ao Vivo fez-se sentir cheio e em êxtase. Apesar do peso que Nowhere e Going Blank Again ainda acatam, a noite de Ride não foi um mero revisitar de memórias, mas sim uma demonstração do poderio do material dos britânicos, oscilando-se um pouco por toda a carreira e sempre de forma certeira entre coabitar o passado com o presente.

Ora fosse por “Future Love”, “Leave Them All Behind” ou “Taste”, a estática do público foi constante, apenas rompida por intensas palmas de felicitação no final de cada tema. E não se esperava menos de um concerto de Ride, ou não se estivesse perante uma banda que se sente, interioriza-se e respeita-se, padrão de comportamento registado previamente na banda de abertura, os britânicos Crushed Beaks, mas cuja pujança abanou os corpos e despertou o interesse dos poucos madrugadores que já circulavam pelo Lisboa ao Vivo.

Pouco comunicativos, tirando as saudações a Lisboa típicas da praxe, mas com a pujança intacta e jovialidade renascida, os Ride proporcionaram uma viagem à boleia de dezanove temas que circularam num instante; o soar dos bombos de “Dreams Burn Down” levou mãos à boca perante a rapidez com que hora e meia de concerto tinham voado, mãos essas que aplaudiriam de bom grado dois dos maiores picos de Nowhere: “Polar Bear” e “Vapour Trail”, com esta última a arrepiar ao longo do seu solo terminal e a demonstrar toda a genialidade de Andy Bell.

Rompidos os estados de transe instaurados pelo Lisboa ao Vivo, “Seagull”, tema título de Nowhere, começa um merecido encore e cuja entrada fulminante finalmente quebra a persistente estática do público, matando-se por uma última vez saudades de uma banda que marcou uma década, mas que demonstrou belos argumentos capazes de provar que ainda há muita vida nesta ressurreição dos Ride.

Deixa um comentário