Six Lenins“, o terceiro álbum dos The Proper Ornaments, vê a banda a dominar o seu som aparentemente sem qualquer esforço, e com um acabamento exemplar, enquanto as suas proezas de composição não deixam de surpreender.

Acabados de chegar duma tour pelos Estados Unidos no Outono passado, o grupo londrino liderado por James Hoare (Ultimate Painting/ Veronica Falls) e Max Claps (Toy) entrou no estúdio caseiro de James em Finsbury Park, Londres, e fizeram as suas melhores gravações até à data numa recentemente instalada 16 Track Studer Machine – acompanhados por Danny Nellis (Charles Howl) no baixo e Bobby Syme (Wesley Gonzalez) na bateria. Tendo escapado de profundezas sombrias de doença, divórcio e abuso de drogas para lançar o seu segundo disco em Janeiro de 2017, não é de surpreender que soem mais ensolarados neste novo disco.

O que o seu trabalho extremamente melódico sugere é uma indiferença ou ingenuidade mas é, na verdade, uma fatia cara de coerência e clareza dentro de um cenário em constante mudança nas suas vidas e paisagens. A banda existe como um organismo despretensioso e resiliente em um nicho ambiental ferozmente competitivo e destruído. Ao longo de duros anos numa indústria musical darwinista, eles mostraram longevidade e crescimento fugindo dos destroços das suas bandas anteriores para se tornar um organismo unido.

We started writing new songs in the Summer. I was in bed recovering from hepatitis and very broken and tired so couldn’t do anything else apart from playing guitar,” diz Max, “and the songs slowly started to appear. In August we realised we had five new songs each and free time, so we decided to record them. The actual recording only took two weeks and it was considerably easier than our previous recordings.

A velocidade com que “Six Lenins” foi feito sugere que os dois compositores conseguiram manter um foco no que eles queriam alcançar, refinando ainda mais o equilíbrio do conflito e uma colaboração que empresta a sua doce e sucinta melodia à sua nervosa energia. Composições bem elaboradas e uma sonoridade controlada, apesar de uma sensibilidade analógica zelosa. A abertura com “Apologies” define estridentemente e o humor e o momentum, mesmo enquanto tecemos através de alguns momentos mais sombrios, nunca mergulham antes de subir com o riff de hélices Velvetianas do favorito ao vivo “In the Garden” para terminar o álbum.

+info The Proper Ornaments

Fotografia (capa) – Anna Sampson

Deixa um comentário