O mago tem a capacidade inata de criar poções e desenvolver feitiços que podem ou não arrastar-nos no caminho. Há um conjunto de magos que, com pouco esforço, nos prendem automaticamente a eles e nos levam para onde a nossa mente deixar, criando-nos uma sensação de que esta magia sabe bem e que momentos de feitiço nos enchem de sensações transcendentes e únicas das quais pouco conseguimos explicar. Eles são os The Black Wizards e são uma das melhores bandas de rock psicadélico da actualidade.
É difícil um
Sábado em Lisboa não ter uma exagerada oferta de eventos musicais. No entanto, a dificuldade desfaz-se quando um dos concertos é o destes magos e a sala a casa do rock, o Sabotage Rock Club.

Nesta cave, sentia-se o aconchego humano e uma aura de boas energias que anteviam o que viria a acontecer durante 1 hora e poucos minutos. As rendas do rock psicadélicos que se constroem sem sintetizadores tornam-se mais ricas e dotadas de uma força natural que nos prende de imediato os pés à terra, criando raízes, e nos pega no espírito, guiando-o em busca do que o nosso íntimo estiver à procura. Normalmente, um concerto de The Black Wizards, liberta-nos de tudo e faz-nos sentir a pureza e a felicidade de viver.
Carregados de fuzz e pedais de distorção, trazem consigo o cheiro a anos 70 e à guitarra do Hendrix. Sobe-nos à boca a essência do antigamente no agora fazendo-nos acordar no meio do Woodstock com um sorriso rasgado de felicidade. A voz de Joana é tão completa como os seus dedos e é a peça fundamental do puzzle que acaba sempre por nos colocar dentro de um caleidoscópio e nos leva a sonhar.
Há um certo encantamento nestas cordas que nos prende a atenção e nos mostra toques de rock progressivo e stoner a completar o psicadélico. A densidade é palavra de ordem e, de súbito, temos pequenas minas dentro do nosso sistema nervoso que vão explodindo à medida em que a viagem avança.

Nesta hora e pouco de feitiço de faixas longas e corpulentas, What The Fuzz!, último álbum, foi Rei, sendo partilhado com Lake Of Fire. Depois de 7 densas faixas, oferecem-nos um encore de mais uma, tendo ficado o gosto de saciedade acrescido de vontade de mais em todos nós. Aguardemos para novo álbum a ser lançado este ano.

Deixa um comentário