Black Bombaim, Jonathan Saldanha e o terceiro capítulo de uma residência

Encerra em Abril o ciclo de três residências artísticas que, desde Novembro do ano passado, tem juntado os Black Bombaim a três produtores nacionais na composição e gravação daquele que será o novo disco do colectivo. O terceiro tomo colocará a música da banda em diálogo com Jonathan Uliel Saldanha (HHY, Fujako) numa residência nas Câmaras Reverberantes do Laboratório de Acústica da Faculdade de Engenharia do Porto, com uma abertura ao público a 15 de Abril, pelas 16h00.

A entrada será livre mas de lotação limitada e requer inscrição através do email orders@loversandlollypops.net.

Esta colaboração adiciona um elemento extra ao processo de composição: o espaço. Operando directamente nas estratégias da música, Jonathan Saldanha propõe-se a criar um diálogo entre os músicos e o meio envolvente. Para isso, escolheu a câmara de reverberação da FEUP, um bunker de cimento construído para atingir níveis excepcionais de silêncio, perfeita para medições de volume. Uma câmara de eco que funciona como um tanque de privação sensorial, semelhante aqueles que, nas décadas de 60 e 70, serviam a leitura dos limites da consciência.

O desafio é claro: a percepção encontra-se aqui minada pela avassaladora reverberação do espaço, estendendo e sobrepondo cada gesto no tempo. Inseridos na câmara de eco, o muro de som será total, influenciando directamente o gesto dos músicos, num sistema fechado que se alimenta dos sons gerados e do colapso da percepção de quem toca.

No final do ciclo, os Black Bombaim, sob a alçada da Lovers & Lollypops, editarão um disco, composto pelos resultados dos três encontros, estando ainda previsto lançamento de um documentário que relatará todo o processo, com realização de Miguel Filgueiras e argumento de Manuel Neto.

O projecto conta com o financiamento do Criatório, uma iniciativa da Câmara Municipal do Porto destinada ao apoio à criação artística contemporânea.

+info  Black Bombaim

 Fotografia (capa) – Joana Castelo