O registo eclético das salas de espetáculo é fabuloso! Enquanto o “Cante Alentejano” deixava a sua marca de patrimônio imaterial da Humanidade no auditório em frente (o Grande, pois então), David Santos iniciava a sua passagem pelo CCB com o primeiro de 2 concertos esgotadíssimos.

A “pequena orquestra” estava levemente iluminada pelo néon de “Noiserv” e pelo reflexo do branco da tela ao fundo do palco. Uma mesa e uma cadeira ordeiramente direitas no lado direito, ao fundo.

Pouco passava das 21h quando David Santos entra no palco e caminha para a sua panóplia de “instrumentos” colocados no meio do palco. Logo atrás de si entra Diana Mascarenhas, a autora dos traços da cidade mágica de Noiserv sentava-se na mesa, à direita.

Com a descontração tímida que já nos foi habituando, David Santos inicia a noite das aventuras dos sons com um tema (2º CD), “Mr.Carocel”, música de 2010, seguida de “This is maybe the place where trains are going to sleep at night”, 2014. A paleta atrás do David começava a ganhar traços e cores, e surgiam pequenos homenzinhos a voar em chapéus-de-chuva. Já um quarto da tela estava ilustrado.

David Santos foi seguindo sem grandes percalços, entre a guitarra e o megafone, a harmônica e a máquina fotográfica, o sintetizador e o órgão. Ao terceiro tema, já sentíamos a envolvência da descontração, através do seu humor no enquadramento das músicas.

Com uma hora de concerto, e com 5 músicas tocadas nas gravações constantes dos ritmos, entra a pistola de plástico no tema “Today is the same as yesterday but ,yesterday is not today” (2014), “(…)they will have shot my head”. A Diana já tinha metade da ilustração.

As nossas gargalhadas continuaram seguidas dos calorosos aplausos, entre as criações orquestrais que o David nos trazia. O xilofone dava o ar da sua graça, enquanto os pés do David já se ressentiam com os movimentos sincronizados dos inícios das gravações de cada som. E continuou, com os “gatos sem pêlo”, no “crescer se continuarmos a ser crianças”, “no nervoso do dia antes do concerto, que podia ser amanhã se não existisse hoje” e “no sonho que não vale a pena esperar por amanhã”.

A concertina dançou com o órgão que piscava a luz vermelha quando estava preparado para gravar. Anuncia a última música, porque os pés já doem (risos). Ainda no início da última música anunciada, o David pára e com a sua humilde simplicidade diz “enganei-me”. Seguem as explicações minuciosas do que falhou (sejamos francos, que o que o David faz não é mesmo para “meninos”!). Esta deliciosa falha deu-nos mais uma música, “Melody Pops” de 2008. Em jeito de festejo, partilha o facto de fazer 10 anos de concertos no próximo dia 19 de Março. A cidade mágica de Noiserv está terminada!

Mais duas músicas no encore, depois de muitos agradecimentos ao público (que se repete nos concertos, e ainda bem!), ao pessoal do CCB que já é “conhecido” e que lhe vai dando feedback do som dos micros e dos seus 20(!) instrumentos de orquestra.

No final do concerto, os CD´s, a caixa de música e os autocolantes (grátis) estavam no hall do auditório, juntamente com o David!

Parabéns David, por estes 10 anos de inovação e criatividade musical!!

Texto – Carla Sancho
Fotografia – Rita Justino