Nove meses após o lançamento do aclamado álbum “Samba de Guerrilha“, o cantautor carioca Luca Argel volta a Lisboa para subir ao palco do Teatro Maria Matos a 10 de novembro.

Esta será a primeira vez que “Samba de Guerrilha” será apresentado com todas as suas componentes. Música, história e imagem irão conjugar-se em cena para contar a trajetória deste centenário género brasileiro que atravessou muitas batalhas antes de conseguir a aceitação social, e representa a luta das populações negras e periféricas em busca de reconhecimento, direitos e dignidade.

Em cena vamos poder ver a cenografia a ser criada e recriada em tempo real por António Jorge Gonçalves, com desenhos e intervenções em fotos de arquivo. Em “Samba de Guerrilha em Cena” é assim que se irá contar as partes da história do samba que as palavras e a música não alcançam sozinhas.

“Samba de Guerrilha em Cena” conta também com a narração de Nádia Yracema (Aurora Negra). A música, é claro, fica a cargo de Luca Argel e sua banda.

Os bilhetes para o espetáculo de 10 de novembro no Teatro Maria matos já estão disponíveis no site da Ticketline. Este é um evento que acontece no âmbito do programa Garantir Cultura.

“Samba de Guerrilha” não se assume apenas como um disco, mas sim uma obra que reúne múltiplas expressões artísticas em si: da música de Luca Argel à narração de Telma Tvon, ilustração de José Feitor e poesia de tantos artistas. É uma samba opera, conceito emprestado da rock opera popularizado por Pete Townshend (The Who).

“Samba de Guerrilha” é uma viagem no tempo, onde conhecemos histórias e personagens do combate ao racismo, à escravidão e às desigualdades. Ouvimos a narrativa em forma de samba, mas um samba que, desta vez, está permanentemente a testar os limite das suas possibilidades musicais, um samba reinventado, eletrificado, nascido a um oceano de distância da tradição.

Entre clássicos e jóias pouco conhecidas do repertório do género, os temas são todos eles versões de sambas já existentes mas que, juntos neste trabalho, contam a história deste género musical.

Fotografia – Felipe Drehmer

Deixa um comentário