O primeiro, homónimo, lançado em 2015, que recorda as incursões mensais da banda na Casa Independente, o palco que os viu nascer, Fogo Fogo arrisca experimentar, ao mergulhar num vasto número de canções, clássicos cabo-verdianos, a fim de provocar e incentivar o movimento e a dança, relembrando o calor e as matinés onde outrora se dançava aos pares.

No segundo Ep, “Nha Cutelo“, de 2018, a banda lisboeta apresenta os seus primeiros trabalhos originais, frutos consequentes da experimentação e do electrizante psicadelismo tão presentes no estilo Funaná. Em 2019, lançam o terceiro Ep, “Dia Não“, onde dão a conhecer aquele que se tornaria o primeiro tema do futuro disco longa duração.

Em março 2020, a poucos dias da pandemia, os Fogo Fogo terminam a gravação do seu primeiro álbum de originais, nos estúdios Namouche. Contaram com a ajuda dos músicos Jon Luz no cavaquinho, Djair e  Mário nas percussões, e na co-produção e mistura, com a ajuda do brasileiro Kassim e o norte americano Victor Rice.

Intitulado “Fladu Fla“, o novo disco é composto por onze temas: nove originais e dois escolhidos do cancioneiro de funaná: “Ka Bu Frontam“, de Menu Petcha, e “Labrada” de Catchás, aqui no seu primeiro registo discográfico.

Fladu Fla” sugere-nos um olhar telúrico através de alguns costumes e expressões Cabo-verdianas. É o caso da canção que dá nome ao disco e que aborda o costume da maledicência e da perpetuação do boato, da notícia sensacionalista pouco fundamentada.
Mas outras canções como “Snaki Pa Guloso“, “Ca Ta Da“, “Dia Não” ou “Hora Di Bai“, apontam também, ora para reflexos de consequências de sonhos cheios de esperanças e coragens na hora de partir (“Hora Di Bai“), ora as impossibilidades de viver sem saúde, amor ou dinheiro (“Ca Ta Da“), ou o quão difícil é viver nas malhas do preconceito (“Dia Não“), ou ainda ao apontar e espetar o dedo no manjar exclusivo do privilégio (“Snacki Pa Guloso“).

Mas nem só de protesto vive o funaná de Fogo Fogo: envolto de muito movimento e psicadelismo, também se encontram temas mais leves ou sentimentais no repertório. Inteiramente para a dança é-nos apresentado o tema “Que Kbo Cre” ou, na temática do amor, o caso de “Labrada” ou “Dxam Fica Na Bo“.

Além do repertório escolhido para o alinhamento do disco em CD, o LP em vinil que será editado em outubro, inclui ainda outros dois temas, “Shaft meets Soul Makossa“, clássicos de Shaft e Manu Dibango e “Enter the Dragon“, tema original de Lalo Schinfrin, eternizado no filme com o mesmo nome do artista marcial Bruce Lee.

Mais informação em facebook.com/FogoFogoFunana

Deixa um comentário