Regressa em Setembro o festival que, ao longo dos últimos oito anos, tem transformado a ilha de São Miguel no epicentro de uma experiência em torno da música, do território e do cruzamento entre as artes. A ter lugar entre os dias 7 e 11 desse mês do final de verão, o Tremor propõe-se a manter a estrutura basilar que tem vindo a consolidar a sua imagem de marca: a procura por novas formas de leitura sobre o território patrimonial e histórico dos Açores e a criação de espaços de diálogo entre artistas locais e os de outras paragens. Um desses espaços é o Tremor Todo-o-Terreno, este ano entregue à artista multimédia Sofia Caetano, ao projecto de electrónica PMDS e ao saxofonista, improvisador e performer Luís Senra. Em conjunto, os quatro artistas criarão uma experiência plástica e sónica desenvolvida para um trilho pedestre específico, que culminará numa apresentação, ao vivo, na natureza. Ao contrário das edições anteriores, para responder às exigências do momento que vivemos, as sessões do Tremor Todo-o-Terreno estarão disponíveis para todos os portadores de bilhetes do festival, sendo que a inscrição dos participantes continua a ser necessária. A inscrição nas mesmas será organizada de forma a fazer circular, por diferentes sessões, os vários participantes, evitando assim a criação de aglomerados. As inscrições serão feitas através da App a ser lançada nas semanas anteriores ao evento.

Confirmada está também a exposição colectiva Epicentro: Promessa, uma criação site-specific desenhada para a Ilha de São Miguel, que apresenta músicos, artistas visuais e sonoros, açorianos e além-mar. A ser inaugurada durante as datas do festival, a exposição integra trabalhos do colectivo berru, das duplas Débora Silva e Slim SoledadJoão Pais Filipe e Beatriz Brum (com co-produção da ArtWorks), de Gregory Le Lay e da Sonoscopia. Em Epicentro: Promessa, a ilha torna-se o núcleo expositivo activo de um circuito artístico vivo que ocupa espaços interiores e exteriores da sua natureza e malha urbana.

Recordamos que a venda de novos bilhetes para o festival está momentaneamente suspensa, ficando a lotação limitada, neste momento, aos portadores de bilhetes da edição de 2020 que decidiram não pedir a sua devolução à data do cancelamento. Os detentores destes ingressos não necessitam de realizar nenhuma acção: os bilhetes comprados na BOL, FNAC, La Bamba, nos CTT e restantes pontos de venda transitam automaticamente para 2021, bastando apresentar o mesmo na bilheteira desta edição.

Deixa um comentário