É lançado esta semana o projecto #garanteolugar, uma iniciativa que colocará em contacto salas de espectáculo e marcas com o objectivo de garantir a sustentabilidade da programação cultural regular e a manutenção dos níveis de rendimento para a comunidade artística. A ideia, da autoria de Raquel Pinhão e Teresa Pinheiro, passa pela criação de contratos de apoio através dos quais empresas e marcas adquirem os lugares que ficarão vazios fruto das regras de limitação de lotação impostas pela estratégia nacional de controlo da pandemia.

Partindo da ideia de que, na nova normalidade, as lotações esgotadas serão, mais do que nunca, vitais para a continuidade do ecossistema cultural, o #garanteolugar pretende, por um lado, apelar à responsabilidade social de empresas e marcas e ser uma ponte para que estas possam comunicar e agir no sentido de criar valor junto do seu público. Do lado das casas, esta acção tem como meta a criação de condições financeiras para a manutenção da programação regular, assim como a minimização dos impactos financeiros negativos face à perda real nas bilheteiras. Uma condição que se prevê essencial para a manutenção e renovação de contratos assumidos com artistas e agentes culturais e que, como tal, representará um contributo para a continuidade dos seus rendimentos e para a criação de oportunidades num sector severamente fustigado pela crise pandémica.

Em termos de execução, o #garanteolugar assumirá a função de mediação entre espaços e empresas, estabelecendo contactos e acompanhando a criação de acordos. Feito o encontro de vontades, a implementação passará sempre pela assinatura de contratos de apoio entre salas e empresas, através do quais as segundas adquirem os lugares não ocupados para os espectáculos já programados ou pensados pelos responsáveis das primeiras. A cedência ou aluguer da sala para realização de outros eventos não será considerada para efeitos de quantificação e associação à ação. Será estabelecido um valor de investimento mínimo por sala, sendo que qualquer ação de contrapartida será sempre negociada e contratualizada entre ambas as partes.

Como ideia para o agora, o #garanteolugar quer ser uma ajuda na resolução das questões que se colocam hoje à viabilidade da abertura de portas de diversas casas por todo o país e aos desafios das empresas sobre a forma como devem e podem comunicar com o público numa altura em que se apela à responsabilidade social de todos. Ao fazê-lo através da criação de relações que resultem em benefícios mútuos, o #garanteolugar poderá, no entanto, lançar sementes para o depois, abrindo um canal de colaboração permanente e duradouro entre a cultura e outros sectores económicos.

+info garanteolugar.pt

Fotografia (capa) –  #garanteolugar

Deixa um comentário