A Magnificiência do Experimentalismo

Na última noite de Maio, a Galeria Zé dos Bois proporcionou a todos os que estivessem disponíveis um imenso prazer. Após no dia anterior ter actuado no Gnration em Braga, Steve Gunn veio dar um vislumbre do novo álbum, “Eyes on the Line”. Este álbum, terceiro com Steve a liderar uma banda, chega às lojas a dia 3 de Junho, e vem consagrara transição de guitarrista a figura central.

Mas antes da esperada actuação, às 22h houve um concerto surpresa com o Londrino Sleepy Doug Shaw. Unicamente acompanhado pela sua guitarra e pedais, perante uma sala cheia, mudou o ambiente à sua volta. Espalhou-se uma atmosfera de despreocupação mas com um gosto agridoce, conferido por temas que abordam tanto a reflexão como a perda. Um dos temas que interpretou foi Come Smoke, mesmo o nome sugere que haja um convívio relaxado.

Com os instrumentos devidamente dispostos, Steve Gunn & The Outliners entraram em palco, sendo estes os amigos que o auxiliaram quando começou a carreira a solo. O início teve alguma timidez, alguma relutância em palco, mas apenas o início. O público estava lá especificamente para este momento, não demoraram a fazer a sua parte para criar um à vontade entre todos. Em menos de nada, as guitarras eléctricas cantaram para nós, o baixo ajudou, a bateria alegremente manteve o ritmo, e as letras foram e são a cereja no topo do bolo. Foi no entanto na recta final do concerto que se voltou para o passado, para temas de álbuns anteriores, após temas como Ancient Jules. Começou uma etapa mais instrumental e que parecia não ter fim. O espectáculo prolongou-se e foi chamado de volta ao palco, após os músicos terem saído momentaneamente. As guitarras tocavam a seu belo prazer e os artistas sorriam entre si… obrigado à Galeria Zé dos Bois por ter trazido o talentoso norte-americano.

Texto – Samuel Pereira
Fotografia – Ana Pereira
Promotor – Galeria Zé dos Bois