A estreia do irlandês Andrew Hozier-Byrne, nome artístico Hozier, não teria sido melhor noutra altura. Se o comentássemos desta forma a Hozier ele também concordaria.

Reconheceu desconhecer ter em Portugal uma “falange” de fãs capaz de encher o Coliseu, e jamais imaginaria também, como o próprio o disse durante o concerto, que num país onde a lingua oficial não é o inglês, o público se pronunciasse melhor desta forma que outro público próximo da sua terra. Nesta primeira presença do artista e a sua banda no nosso país a empatia foi imediata, ou não fosse já isto habitual entre portugueses e irlandeses, e durou durante todo o concerto.

 

O alinhamento não será tão importante referir numa noite como esta, mas temas como o mais conhecido “Take me to church”, um dos mais recentes “Jackie and Wilson”, ou “Work Song” com a ajuda das palmas do público , ou ainda “In a week” que contou com a voz da violoncelista da banda Alana Henderson, marcaram presença obrigatória nesta noite considerada por todos os presentes como muito especial.

A primeira parte esteve a cargo do inglês Rhodes, que numa entoada mais calma e menos química que Hozier, contou também com a ajuda de um pequeno grupo de fãs que se faziam notar na sala no final de cada tema.

 

Fotografia – Luis Sousa
Promotor – Everything is New